Caso Valério Luiz: Delegado defende divulgação do retrato-falado de assassino do comentarista Valério Luiz!

 
No último dia 5 de outubro completou-se 3 meses do assassinato do Jornalista Valério Luiz


Delegados experimentados continuam insistindo: a Polícia Civil tem de agir mais rápido, com mais energia, na busca do assassino do radialista Valério Luiz. As provas têm de ser colhidas e lastreadas com competência, “para não enterrar o inquérito”, mas, segundo um delegado, está passando da hora de pedir a primeira prisão. “A prisão de um dos envolvidos pode quebrar a corrente de solidariedade e pelo menos um deles pode acabar fazendo revelações.”

Um delegado pergunta, em tom crítico: “De que adianta fazer retrato-falado e mantê-lo escondido? Sua divulgação pode ajudar a encontrar o criminoso. Mantê-lo anônimo, depois de três meses, é um contrassenso”.

 
Outro delegado diz que a demora na apuração do crime é útil para os advogados dos assassinos prepararem uma defesa consistente. “Quanto mais demora a apurar um crime, mais a polícia colabora para que o mandante elabore uma estratégia de ‘encobrimento’ e, ao mesmo tempo, de defesa”, frisa o delegado.

Um terceiro delegado diz que a polícia tem boa vontade e quer a morte de Valério Luiz esclarecida. “Mas, como todos sabem, há interesses em jogo. O possível mandante, se for confirmado que é ele, é um homem muito rico, acostumado a bater em jornalista e a perseguir outras pessoas, como o prefeito de Itumbiara.”

Um dos delegados frisa que a autoria do crime “não está estabelecida. Se estivesse, a polícia teria como pedir prisões. No momento, teme pedir prisão, ou prisões, e a Justiça não concedê-las e, ao mesmo tempo, teme até conseguir as prisões mas, com as pessoas presas, não conseguir obter informações privilegiadas. Por isso, prefere-se ficar inerte, como se estivesse fazendo uma grande investigação, quando aparentemente não está. Fica-se com a impressão de que a polícia está na praticamente na estaca zero”.

 Fonte: Jornal Opção (www.jornalopcao.com.br)



Comentários

 
▲ Topo