Mau Senso no champanhe

 
Por: Gabriel Tramarin

Demorei um pouco para falar do movimento Bom Senso Futebol Clube, mas como já disse várias vezes não costumo ir na correnteza e demoro até formular minha opinião. E não vou repetir o famoso vídeo-tape: é importante para o futebol brasileiro, etc, etc. Isso é lógico, porém vejo isso como pregar no deserto. Ficar mostrando faixa, dando declaração na imprensa tem pouca relevância, pois nossos dirigentes são uma mer**, arrogantes, prepotentes, lixos e outros adjetivos ruins, então não adianta chegar para um dirigente brasileiro e reclamar. Depois de ouvir os argumentos do Bom Senso, Del Nero (Acho que ele nem ouviu, estava lustrando a sua generosa careca) e Marin foram jogar um pôquer no seu jatinho, com bolinhos de bacalhau e champanhe.

Então leitores: eles estão pouco se ferrado com o nosso futebol, só com o dinheiro. Bom e aí entra uma ideia que eu tenho e que certamente o movimento já tenha tido: atingir o bolso dos dirigentes. Como que se atinge? Greve, Protestos mais efetivos, mobilização e outras formas de protesto, como o do braço cruzados no qual achei sensacional. Por ai já vemos outro ângulo complicado e triste: a regra da repressão presente na nossa política NACIONAL, não a da negociação. O que houve? O árbitro do jogo São Paulo x Flamengo (Justamente o jogo televisionado para boa parte do Brasil) ameaçou os jogadores com medidas disciplinares. Negou que tenha tido interferência, mas não somos bestas e elefantes não voam.

O movimento está indo bem, no entanto achei estranho o fato de não terem cogitado o calendário-europeu, que é o melhor do mundo. Porém eu sei que há um Bom Senso como o próprio grupo trata como bandeira. Há também um certo medo de pedir algo mais efetivo, só que os jogadores tem de ver o seguinte: eles são a maioria. Quem faz o espetáculo e o dinheiro são eles basicamente, então é bom tomarem medidas mais efetivas pois eles estão negociando com saco de bosta, não com pessoas competentes. Com pessoas que se acostumaram com a política da pura repressão, de que o povo se foda e etc, pois pensam fazem política para si mesmo.

Discordo de que tenha que ter jogo segunda-feira como Rogério Ceni cogitou, aí o Brasileirão viraria um Zorra Total de tão sem graça. Jogos Quarta e Domingo são necessários, no entanto a pré-temporada e as férias tem de ser respeitadas. Os Estaduais precisam ser revistos como já disse, nem entrarei nesse ponto e já emendo para falar das mudanças no Paulistão: ridículas, como trocar 6 por meia dúzia. Mais uma cagada. Seguindo, ter menos competições paralelas, ter mais espaço entre uma competição e outra, invés de todas juntas ocorrendo no mesmo momento.

É necessário mudanças na política de elitização, democratizando os preços dos ingressos, criando um espetáculo melhor e divulgar mais, pois o público precisa voltar ao estádio. Temos umas das piores médias de público do mundo, perdendo até para a Liga Americana de Futebol por justamente não temos seguranças, meios de transporte eficientes, jogos atraentes e etc. Bom, são problemas recorrentes, nem me estresso, só estou citando. O Bom Senso é só um começo, porém um Bom Senso 'Coxinha' não, tem de ser mais truculento e efetivo. 

Ah e não adianta vir com papo tipicamente ignorante e brasileiro: 'ah mas ganham não sei quantos milhões'. Bom olhando pela TV no seu sofá todo trabalho fica fácil, vejam mais o lado não-fantasioso, a realidade. Todos nós encaramos problemas e foda-se se o pedreiro encara também, estamos falando de futebol e isso que importa nessa discussão. Se quer discutir de política, vai no Blog do Reinaldo Azevedo ou sei lá o que. Coisa chata esse papo brasileiro ignorante

E viva a democracia! (Ativista mode on).

1 comentário

Gabriel Nogueira em 18 de novembro de 2013 16:25

Discordo em alguns pontos e nem preciso citar pois você mesmo expõe o outro lado e crítica sem argumentos fundamentados na minha convicção, inclusive no final. O futebol é muito grande, portanto sempre envolverá outros assuntos, sobretudo política, sociedade e etc. Me desculpe, mas não é justo jogadores ganharem mundos e fundos e um pedreiro muuuuuuuito menos. Se você coloca essa questão em jogo, tem que saber a diferença de coluna, matéria e notícia. Na coluna até podes falar abertamente, porém se você mesmo reparar, todos os colunistas se prolongam nos assuntos, não deixando passar nada. Quando não se prolongam, se limitam conforme a informação. Na minha convicção, é um equívoco você se posicionar no seguinte sentido: 4-3-3. Com três atacantes, mas também três volantes para te defender. Agora, cadê o armador? Pra entender melhor: você não cria alternativas, dinâmica de jogo em suas colunas. Ataca e se defende. Um colunista deve saber equilibrar seus argumentos com a informação. Não acho justo você argumentar a favor do movimento, e quando critica o outro lado é simplesmente breve. Breve no sentido de se colocar na pele contrária, e não nas críticas cruas e iguais a muitos outros da TV, rádio, jornais, revistas e internet. Pra ser colunista tem que arcar com as consequências. Eu critico muito a instituição Barcelona e Messi, muitas vezes pode até parecer repetitivo, mas o jornalismo é repetitivo, muitas matérias são criadas á cerca das mesmas informações. Sejam do passado ou do presente, e a análise cabe introduzir o futuro, como eu bem fiz com Neymar. Só eu e Neto acreditamos efetivamente, e curiosamente, no mesmo dia em que ele falou no programa "Os donos da bola" e teve a matéria, também teve meu texto. Eu defendo Neymar com coerência, assim como critico Messi e a instituição Barcelona. Não é perseguição, desde que seja coluna. E tenho liberdade de imprensa p/ falar do caráter até onde há informações e também ao falar do caráter do outro, estou expondo o meu próprio caráter. Nota: Messi votou ano passado para melhor do mundo em: Iniesta, Xavi e Aguero. Já é um absurdo, assim como foi C.Ronaldo votar em Nani. Mas o que quero dizer é: será que ele votará no Neymar, ou a minha linha de raciocínio estará certa novamente: Messi se incomoda com Neymar, o tem como adversário, não é humilde porra nenhuma. Não reconhecerá sua fraqueza ao ponto de votar em C.Ronaldo ou Neymar, sendo que justo seria votar nos dois. As expressões do argentino e as opções criadas por Neymar dentro de campo, esperando criar jogadas, foram inúteis até aqui. Eu tenho um histórico de críticas a Messi, e em todas fui me prolongando. Não pode morrer tão brevemente o assunto, pois se morre, não há continuação, é tão simples como escrever um resultado qualquer do Brasileirão, tipo um Naútico x Ponte Preta. Tem que ler tudo o que os outros falam sobre determinado assunto, conversar ou pesquisar o que as pessoas comentam nos sites, apurar novas informações, para então ter tanta força, que de fato terá convicção e não opinião. Escrever opinião é amadorismo, pq é a mesma coisa que comentar em um site uma notícia. Entenda essa crítica de uma maneira positiva, pois eu jamais iria me pronunciar se eu visse que não pudesse mais crer no trabalho de outrém. Por ainda acreditar em seu trabalho eu escrevi isso. Conheço seu potencial, porém Robinho surgiu como grande promessa, e não correspondeu á altura. Os detalhes fazem a diferença, sobretudo ser coerente, sempre o mesmo. A mudança em nossas vidas, devem ocorrer quando algo dá errado. Você não deve se considerar um fracassado...Mas também podem ocorrer mudanças para melhor, só que nesse caso a palavra certa é evolução e não exatamente mudança. Os princípios não devem mudar nunca, assim como o caráter.

 
▲ Topo